Notícia Seca prefeitura
HUMOR DOCUMENTÁRIO CRÔNICAS CULTURA GERAL JORNAL DE PREÇOS VÍDEOS MEIO AMBIENTE CIDADES ECONOMIA EDUCAÇÃO SAÚDE
Boa madrugada - Itabira, quinta, 17 de outubro de 2019   NOTÍCIA SECA CONTATO

MEIO AMBIENTE  
VALE PODE DECRETAR FIM DE BARÃO DE COCAIS
E ameaça três cidades, além de rios, fauna e flora 24/05/2019

 

Jamais pensei em escrever algo assim em que se inserisse a expressão horripilante “desgraça”. Por mais que o mundo nos ofereça e oferece mesmo panoramas desanimadores, sempre acreditei naquele adágio popular que diz “depois da tempestade vem a bonança”. Hoje confesso que a expectativa de fatos desagradáveis nos conduz a um sofrimento maior que enfrentar a fúria de um fato já consumado.

 

Neste momento, Barão de Cocais, cidade de uns 25 mil habitantes, situada a cerca de 60 quilômetros de Itabira, a menos de 100 de Belo Horizonte, bem aqui pertinho de nós, está com um aviso pregado na mente do povo que se resume em interrogação sobre o que virá. A mineração, que nem tanto assim premiou os cofres do município, mais dedicado à siderurgia, pode decretar pelo menos a metade do fim da cidade e de outras situadas nas proximidades, além de acabar com nascentes promissoras e rios caudalosos.

 

Não vou  desfilar algumas informações sobre Gongo Soco, originário do Cico do Ouro, onde está armado o front de uma nova guerra ambiental. O sítio tem sua história iniciada em 1745, esteve nas mãos de ingleses, depois da Mineração Socoimex (leia-se Diogo Bethônico) e, finalmente, caiu em poder da famosa, poderosa e quase intocável Vale (ex-Companhia Vale do Rio Doce), tendo sido a mineração transferida em massa para a extração de minério de ferro, em 1986. Até hoje, o acervo ambiental e histórico da região continua de pé.  Mas não se sabe até quando isso durará porque o fim está sendo anunciado até pela mineradora que era orgulho dos mineiros.

 

Vai romper. Não vai romper. Talude cede. Talude não cede. Barragem idem. Vão-se embora cidades (pelo menos umas três estão mencionadas em relatórios técnicos). Rios morreram e vão morrer, como sucumbiram vários cursos de água  assoreados  por lamas. Minas Gerais ameaça sumir do mapa, pelo menos o nome pode ser mudado. E a Vale age de forma inexplicavelmente misteriosa. Ela própria, depois dos apertos ocorridos a partir de 26 de janeiro deste ano, em Brumadinho, resolveu mudar de tática, não nega rompimento de barragens, nem destruições, nem fim da fauna, flora e até de homens, mulheres e crianças. Pelo contrário, pratica o que os terroristas do Oriente Médio pregam, a implosão de tudo. Explicável isto porque a mineradora, estatal ou privada, não existe, não tem cara, não tem personalidade. O que ela tem: o jeito novo de ser madastra-bomba, substituta do terror pregado por Bin Laden, que mostrou a estampa do homem-bomba. E as sirenes tocam como trombetas do Apocalipse.

 

Barão vive a expectativa do fim, apesar de alguns cocaienses, ingênua ou sabiamente, acreditarem que tudo não passa de mentiras deslavadas. Imaginem a cidade invadida por centenas de máquinas, quase milhares de caminhões novos, que impressionam, nenhum “pé de pomba” dorme mais, bancos fechados, não se pagam contas nas redes, empréstimos vencem, dobram os preços dos alimentos, paralisa-se a sua indústria siderúrgica, os políticos ficam cada vez mais perturbados por informações desencontradas. Cadê a Vale? Já escrevi acima: ela não existe, está agora, somente, fazendo um novo papel para dizer que tenta salvar todos, incluindo a antecipação da própria tragédia. Inventou até — e em toda a região — a chamada “Rota de Fuga”, placas abundam em todas as cidades mineradoras de Minas Gerais. Em outras palavras, a mineradora, mundialmente conhecida, tenta socorrer os atletas, somente aqueles que sabem correr, abrindo mão de crianças, idosos, deficientes físicos e mentais, talvez mais de um terço dos que pelejam normalmente para sobreviver e vão dar suas vidas pela segunda maior empresa de mineração do mundo.

 

Primeira vítima da Vale foi Mariana. Depois chegou a vez de Brumadinho. Barão está na sua rota. Acordem, gente, porque pode chegar a vez de sua cidade-mãe, Itabira.

 

No lugar da seta indicativa que a Vale colocou escrito “ROTA DE FUGA”, ela deveria rapidamente mudar a conotação para ficar mais autêntica, menos demagoga e definitivamente ex-covarde: “SALVE-SE QUEM PUDER!”

 

 

José Sana

Em 23/05/2019


 

 

Nude
 
INFORMAÇÃO DE QUALIDADE! E-mail: contato@noticiaseca.com.br
Notícia Seca 2019. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvedor: SITE OURO